Praia de Mira

Escapadinha para um fim de semana de Inverno

A Praia de Mira é uma vila e sede de freguesia que pertence ao município de Mira, situado a 7 km para o interior em relação à orla costeira. É urbanização da zona balnear com o mesmo nome, uma praia com areal extenso e qualidade de excelência, de areias brancas e finas, com uso intensivo e muita tradição. Possui bandeira azul desde 1987, ano em que teve inicio essa campanha mundial, sendo até à data a única que nunca deixou cair esse galardão. A partir de 2007 passou a existir bandeira azul também na praia do Poço da Cruz, uma zona balnear do tipo não urbana, situada a norte da Praia de Mira e pegada a esta, totalizando as duas em conjunto 7 km de areal. Juntamente com a Barrinha de Mira e toda a área envolvente, esta zona é o lugar ideal para férias, escapadinhas de fim de semana, repouso, práticas desportivas, e diversas atividades em contacto com a natureza. O que se pode encontrar por aqui é do melhor que o turismo do centro do país tem para oferecer.

_______________

Conteúdos de artigo

_______________

Localização

A praia de Mira fica situada na costa litoral centro, entre as cidades portuárias de Figueira da Foz e Aveiro, ficando mais próxima desta última. É uma vila que pertence ao concelho de Mira, e ao distrito de Coimbra. Para quem não faça uso das novas tecnologias, a melhor forma de chegar à Praia de Mira é apanhar a estrada nacional N109, que faz a ligação entre Leiria e Porto. Esta estrada passa dentro da vila de Mira (sede do concelho). Uma vez aqui, basta seguir a cortada e percorrer os 7 km de distância que fazem a ligação entre Mira, e a Praia de Mira.

_______________

Um pouco do que pode ver e fazer na Praia de Mira e zona envolvente

Areal e zonas balneares

Embora esta seja uma zona um pouco ventosa, tanto a praia de Mira como a praia do Poço da Cruz são de grande procura no verão, não só por banhistas, como também por surfistas e amantes do parapente que aqui encontram as condições necessárias à pratica dos seus desportos. Visitar a praia e caminhar pela marginal ao som das ondas do mar, ou percorrer o passadiço que se encontra sobre as dunas, sabe sempre bem em qualquer altura do ano.

Praia de Mira

Segundo os censos de 2011, nesta data a Praia de Mira totalizava 3147 habitantes. Num fim de semana de Agosto essa quantidade pode chegar a ser dez vezes superior devido à quantidade de veraneantes que afluem a esta zona. É uma localidade pacifica e com atrativos muito agradáveis para quem vem de fora.

o extenso areal

Lagoa da Barrinha

Além da orla costeira, a Praia de Mira conta também com a lagoa, ou barrinha, ou lagoa da barrinha, uma lagoa ladeada pela população de um lado e vegetação do outro, onde podem ser observadas uma quantidade considerável de espécies de aves, entre outros… Umas encontraram aqui o clima e as condições ideais à sua subsistência, e por cá permanecem o ano inteiro. Outras, as migratórias, regressam com a chegada da primavera. Em meados de Janeiro, aquando a visita a esta zona, na margem oposta à população, a quantidade de espécies diferentes que qui encontrei nesta altura do ano era numerosa.

Varanda verdeLugar ideal para ver o nascer do sol.

Ao lado da lagoa, na zona mais a sul encontram-se os “viveiros”, um espaço recentemente requalificado onde é igualmente possível observar várias espécies de seres vivos, alguns dos quais só à noite, sendo para isso necessário algum silêncio e equipamento adequado. Esta lagoa é um local calmo e tranquilo, perfeito para a canoagem, para o windsurf, para andar de gaivota ou embarcação a remos, para caminhar pelas suas margens,… e para apreciar a natureza nas suas diversas formas. É o lugar ideal para um passeio noturno nas noites de primavera ou verão.

O parque de campismo

Para os amantes do turismo de ar livre, onde o autor deste blogue se inclui, a Praia de Mira encontra-se equipada com três parques de campismo, entre eles o Orbitur, o Mira Lodge Park, e o Parque Municipal de Campismo de Mira, tendo a escolha caído sobre este ultimo.

Parque Municipal de Campismo de Mira

É um parque espaçoso, plano, com as serventias largas e asfaltadas, tornando a manobra mais facilitada para instalação do equipamento, no entanto requer algum cuidado uma vez que o terreno é arenoso, e apenas a zona do equipamento (caravana ou autocaravana) se encontra mais compacta, com umas grelas em plástico embutidas no solo.

Para quem pretenda fazer uso de bungalows, devido à localização dos mesmos recomendo este parque, diria até que os bungalows deste parque são como que um cartão de visita para a população da Praia de Mira. Face ao design e ao enquadramento destes no local onde foram instalados, e segundo informações que me foram dadas num café local, durante a gravação de um programa televisivo passaram a ideia de que o mesmo tinha sido gravado em Angola.

(é caso para dizer: “vale tudo para conseguir audiências”).

Lagoa junto ao parque de campismo – Bungalows

Os palheiros

Com fortes ligações à atividade piscatória, os primeiros pescadores que sazonalmente se fixaram por aqui começaram por erguer abrigos para si e para as suas artes com materiais autóctones. Eram exemplares de construção únicos que vieram a ser chamados de Palheiros. Barracas construídas em madeira e cobertas com os tufos das plantas dunares, o estormo, ou estorno, (Ammophila arenaria), um tipo de planta que segundo me foi dito no Museu do Território da Gândara, em tempos longínquos teve um papel fundamental na contenção das investidas do mar. Daqui resultou o nome destas construções e o nome do núcleo urbano, sendo que a Praia de Mira foi em tempos também conhecida por Palheiros de Mira. Posteriormente o estorno deu lugar a coberturas em madeira, telhados de duas águas…, e mais tarde telha portuguesa de canudo. Os Palheiros de Mira hoje já não existem, os últimos que por aqui existiram estavam situados na zona dunar, ali pelas traseiras da capela de N. Sra. da Conceição. Foram demolidos por ordem do Plano de Ordenamento da Orla Costeira.

Memória… Palheiros de Mira. Fotografia existente no museu Etnográfico

No livro Viagem a Portugal editado em 1981, José Saramago escreveu assim:

O viajante não vê palheiros, sente-se definitivamente logrado, mas vai perguntar a um velhíssimo homem que se entretém a olhar para o mar:

-Faz favor, onde são os palheiros?

O velho sorri, deve estar a juntar mais este viajante a quantos outros vieram aqui fazer a mesma pergunta, e responde com bons modos:

Isso já não há, agora são tudo casas. Só para além, dois ou três.

Agradeceu o viajante e seguiu na direção apontada. La estavam os sobreviventes, grandes barracas de tábuas escurecidas, pelo vento e pela maresia, algumas já desmanteladas, pondo à vista a técnica da construção, o forro interior, os barrotes de sustentação, algumas vê-se que são ainda habitadas, outras leva-lhes o vento as telhas. Não tarda muitos anos para que disto só reste a memória fotográfica.”

…e à data atual, dos palheiros da Praia de Mira só resta mesmo isso, a memória fotográfica. Seguem-se algumas miniaturas ilustrativas, construídas por artesãos.

Museu Etnográfico

A Praia de Mira era na primeira parte do séc. XX uma aldeia piscatória, cujo quotidiano se poderá conhecer no Museu Etnográfico a funcionar num edifício construído segundo as linhas características dos antigos palheiros, servindo ao mesmo tempo de homenagem a estes.

Museu etnográfico

O edifício foi inaugurado em 1997, e nele encontra-se a funcionar também o posto de turismo. É um edifício de dois pisos, construído em madeira e de arquitetura palafitica, ou seja, assente em estacaria.

Ao lermos atentamente as descrições dos artigos expostos neste museu, bem como notícias de algumas décadas atrás saídas em jornais locais e hoje aqui expostas, acabamos por nos sentir mais próximos e até um pouco envolvidos na vida que foi vivida por aqui em outros tempos.

Museu Etnográfico de Mira

Museu do Território da Gândara

Visitar este museu é como fazer uma viagem no tempo sobre o território da Gândara, que é composto pelos municípios de Mira, Cantanhede e Vagos. É uma viagem que nos leva a um passado um pouco distante, falando sobre uma zona que, na altura em que as pessoas viviam unicamente da terra, era considerada zona pobre devido ao seu solo arenoso e pouco rico para a agricultura. Foi o trabalho árduo das gentes de outros tempos que progressivamente o conseguiram modificar, trabalho esse que grande parte dos seus habitantes já não usufruiu, foi obra que ficou para as gerações futuras. O museu disponibiliza dois temas principais: “Homem Terra e Mar” e “O Tempo e o Homem”. Ao visitar este museu fará uma viagem pela historia e pela evolução dos habitantes desta região.

O museu encontra-se instalado numa antiga escola, à saída de Mira, quando vai a caminho da praia.

Museu do Território da Gândara

Os viveiros

Este será eventualmente o local onde melhor poderá conhecer a biodiversidade que existe nesta zona e observar boa parte dela.

Melro.

O espaço foi requalificado e é composto por passadiços transversais, mesas de pic-nic e baloiços onde poderá conviver em família…, e um passadiço longitudinal onde numa das suas laterais se encontram inúmeros placards com informação relativa à biodiversidade que existe por aqui. Entre eles, répteis, mamíferos, anfíbios, espécies piscícolas, invertebrados, aves…etc.

Segundo informação num dos placards, só aves estão inventariadas mais de 200 espécies. Em termos de vegetação o numero é igualmente elevado. Em conjunto com a lagoa, entre herbáceas, arbustivas e arbóreas, o numero ultrapassa as três centenas.

Garça Branca

Este é sem duvida um local onde é agradável passear, tanto na zona dos viveiros como no percurso ciclo-pedonal em volta da lagoa.

Garça Real

Se o leitor/ra for do tipo de pessoa que habitualmente se diz madrugadora, recomendo vir até aqui bem cedinho, pelo raiar do dia, e completar com uma caminhada em volta da lagoa, principalmente se for nos dias de primavera ou verão, vai ver que não se irá arrepender.

Corvos marinhos

Percurso pedestre em volta da barrinha

Dependendo do passo e das paragens para algum registo fotográfico, ou de uns minutos no baloiço da barrinha existente na margem oposta em relação à população, uma hora será suficiente para fazer este percurso. Poderá no entanto sentir-se tentado/a em fazer algumas paragens para observar a fauna na zona onde existe maior vegetação.

Percurso pedestre em volta da barrinha

Percursos pedestres e cicláveis

O município de Mira tem um extensão considerável em percursos pedestres e cicláveis, com algumas zonas de percurso a embrenharem-se por completo no seio da natureza. Recomendo a rota dos moinhos (PR2), e a rota da vala real (PR3), ou se preferir não fazer jus aos percursos, recomendo começar na zona dos viveiros e seguir em direção a Mira pela pista ciclo-pedonal.

Percurso ciclo-pedonalVala Real

Irá passar ao lado da Lagoa de Mira, de seguida pelos moinhos da lagoa, Casal de S. Tomé, e um pouco mais à frente irá encontrar o parque de merendas de Calvela, local onde deverá inverter, e iniciar o caminho de regresso. Fazem parte do percurso algumas pontes em madeira, uma das quais nos faz recordar o filme: as “Pontes de Madison County

Moinho das Oliveiras

Na ida e volta são aproximadamente 15 km. Em opção pode inverter quando chegar aos moinhos da lagoa, ou moinhos das oliveiras, uma vez que até aqui é a parte mais agradável do percurso.

Praia do Poço da Cruz

Como dito anteriormente, esta praia é uma zona balnear do tipo não urbana e de uso menos intensivo quando comparada à Praia de Mira. Tem ótimas condições para a pratica balnear e desportiva, sendo mais procurada pelos veraneantes que gostam de primar pelo sossego e alguma privacidade, ou distanciamento social.

Estando também qualificada com bandeira azul, está equipada com ecopontos, zona de estacionamento, bares, nadador-salvador, chuveiros, etc… O seu areal é igualmente extenso e de área fina. Ao olharmos esta praia ou a Praia de Mira, a ideia com que ficamos de ambas é semelhante: -Há espaço para todos.

Areal da praia a sul do molhe.

Capela de Nossa Sra. da Conceição

Com exterior de design muito semelhante a outras edificações existentes pela orla costeira, a Capela de N. Sra. da Conceição, construída em madeira e mantida conservada pela população local, foi mandada erigir em 1843, e é testemunho de uma tradição que não sendo exclusiva desta região, adquiriu aqui a sua expressão mais pura.

É atualmente um dos símbolos desta povoação,… um dos cartões de visita da Praia de Mira. Reflete a devoção religiosa dos pescadores e das suas famílias que aqui pedem proteção e agradecem as graças concedidas, sobretudo nas lides ligadas ao mar, que nos dias de hoje ainda existem e fazem parte da rotina deste lugar.

Capela de N. Sra. da Conceição.

Tal como o exterior, o interior apresenta um design igualmente simplista, composto por madeira de cor única, envernizada, mas de beleza ímpar. Tem atualmente na sua decoração alguma ligação à atividade piscatória.

Estátua de homenagem aos pescadores

Em frente à Capela de N. Sra. da Conceição, a escassos metros encontra-se a imponente estátua de homenagem aos pescadores da terra. Homens de bravura e orgulhosos da sua vida, da faina dura que aguentam, orgulhosos das mulheres que os acompanham, e do filho, que representa um futuro de continuação.

__________________

Gastronomia

Ao visitar esta zona não pode deixar de degustar alguma da gastronomia típica Gandaresa. Dizem estas gentes que daqui ninguém vai com fome. Seguem alguns pratos desta gastronomia.

  • Carapauzinhos fritos com arroz de tomate
  • Sardinha assada na telha com batata a murro
  • Bacalhau assado com batata na areia
  • Bacalhau à moda dos enterros
  • Lulas, Grelos, enguias suadas,…etc.

__________________

Outros locais de interesse na Praia de Mira

Seguem-se fotografias legendadas de outros lugares que pode visitar quando decidir fazer uma visita à Praia de Mira.

Bungalows do Parque Municipal de Campismo da Praia de Mira
Ponte ciclo-pedonal – Vala Real.
Rota da Vala Real. PR3MIR
Canal da Barrinha de Mira
Percurso ciclo-pedonal junto à lagoa de Mira
Lagoa de Mira circundada por um percurso pedestre. Ao fundo Hotel Quinta da Lagoa
Varanda Verde – nascer do sol. Margens da Barrinha de Mira.
Represas e canais de água à beira dos percursos pedestres.
Galeira…
Linhas de água, valas, ribeiras, e represas.

__________________

Textos expostos no museu etnográfico

Texto exposto no museu etnográfico, um entre vários que se podem ver por la.

__________________

Uma forma de terminar os dias na Praia de Mira enquanto aguarda o por do sol sobre o mar.

_______________

José Alexandre

Operário Fabril no ramo da metalurgia. Apaixonado pela natureza, pelas diversas culturas e por conhecer lugares novos. As viagens são uma forma de investir em conhecimento.

Instagram – Facebook

Deixe um comentário usando o formulário.

Bem Haja…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s